sexta-feira, 22 de junho de 2012

MENSAGEM: TIJOLO POR TIJOLO


Era mais de 21 horas e o cansaço já batia, pois às 5 da manhã saía para o trabalho. A chuva estava diminuindo quando ele viu uma senhora com o carro parado no acostamento. Precisava de ajuda. Assim, parou o carro e se aproximou. Mesmo com o sorriso que ele estampava na face, ela ficou preocupada em pensar quem poderia ser aquele homem, parecia inseguro, cansado, pobre e faminto... Ele pôde ver que ela estava com muito medo e disse:


– Eu estou aqui para ajudá-la, senhora. Meu nome é Bryan. É só um pneu furado o problema do seu carro, mas para uma senhora é ruim o bastante, ainda mais a esta hora da noite.


Logo trocou o pneu, mas ficou um tanto molhado e ainda feriu uma das mãos. Enquanto ele apertava as porcas da roda, ela abriu a janela e começou a conversar com ele, não sabia como agradecer pela preciosa ajuda. Ela perguntou quanto lhe devia. Bryan não pensava em dinheiro, aquilo não era um trabalho para ele. Gostava de ajudar quando alguém tinha necessidade, este era seu modo de viver e nunca lhe ocorreu agir de outra forma.


Ele sorriu e respondeu:


– Se realmente quiser me reembolsar, vamos juntos trabalhar na construção de um mundo onde cresça a justiça e a solidariedade. Da próxima vez que encontrar alguém que precise de ajuda, dê para aquela pessoa a ajuda que precisar... E pense em mim.


Ele esperou até que ela saísse com o carro e também se foi.


Algumas milhas abaixo, a senhora encontrou um pequeno restaurante, ela estava com muita fome. Era um restaurante muito simples. A cena inteira era estranha para ela. A garçonete veio até ela e trouxe-lhe uma toalha limpa para que pudesse secar o cabelo molhado e lhe dirigiu um doce sorriso, tratando-a com ternura. A senhora notou que a garçonete, mesmo estando com quase oito meses de gravidez, não deixava a tensão, as dores e o cansaço mudarem sua atitude. Ficou curiosa em saber como alguém que tinha tão pouco podia tratar tão bem a um estranho. Então se lembrou de Bryan.


Terminada a refeição, enquanto a garçonete buscava troco para a nota de cem dólares, a senhora se retirou.


Quando a garçonete voltou, não encontrou mais a senhora, porém, sobre a mesa notou algo escrito no guardanapo e junto mais quatro notas de cem dólares haviam sido deixadas. Brotaram lágrimas nos seus olhos quando leu: “Você não me deve nada. Alguém me ajudou e da mesma forma estou lhe ajudando. Se você realmente quiser me reembolsar, vamos trabalhar na construção de um mundo onde cresça a justiça e a solidariedade”.


Naquela noite, quando a garçonete voltou para casa e deitou-se na cama, ficou pensando no que a senhora lhe escreveu e no dinheiro deixado. Como pôde saber o quanto ela e o marido precisavam dele? Ela virou-se para o preocupado marido que dormia ao lado, deu-lhe um beijo macio e sussurrou:


– Tudo ficará bem... Eu te amo, Bryan...


Vamos construir o mundo que sonhamos, começando em nossa casa, nossa família, nosso trabalho, com uma palavra amiga, com uma atitude amável. Cada gesto bom é um tijolinho que está sendo colocado para a construção de um mundo melhor.  

(Extraído do livro Mensagens de Valor, compilação dos artigos de Vera Lúcia sobre: motivação, entusiasmo, trabalho, família, afetividade, amor. Expressa a beleza dos verdadeiros valores enaltecidos no ser humano.) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário